Corte Químico: O que é e como recuperar o cabelo?

Com tantas novidades para cabelos aparecendo no mundo da beleza, é normal que as mulheres queiram testar diferentes técnicas e produtos para criar um novo visual. Mas, a combinação errada de fórmulas ou o excesso de procedimentos químicos podem provocar um resultado catastrófico: o corte químico. Fique atenta às dicas abaixo para corrigir esse problema e aprender a evitá-lo!

O corte químico é a desestruturação dos fios após o uso de substâncias incompatíveis nos cabelos. Elas reagem alterando as ligações químicas presentes na estrutura capilar interna e ocasionam a quebra dos fios no ponto de encontro dos elementos que não se combinam. O excesso de procedimentos químicos, o tempo de ação inadequado de produtos, ou a realização de colorações em fios sensibilizados também podem gerar o rompimento das mechas.

Outros sinais que acompanham a quebra química são cabelos muito ressecados, opacos, com pontas duplas, emborrachados, elásticos e ásperos. Os fios também podem apresentar queda acentuada e, neste caso, é recomendável procurar um médico dermatologista imediatamente.

 

COMO EVITAR O CORTE QUÍMICO?

 

Se você gosta de experimentar novas técnicas e cores nas madeixas, esteja sempre alerta ao tipo de química que será utilizado em novos procedimentos. Além disso, compartilhe o seu histórico capilar com o profissional que cuidará dos seus fios, para que ele saiba escolher as fórmulas mais adequadas para você.

Ainda, outro cuidado importante é também um dos mais simples: realizar o teste da mecha antes de qualquer procedimento químico. Como esse teste  identifica a resistência do cabelo e os efeitos do tratamento, ele é fundamental para a sua segurança e a do seu cabeleireiro. Para um bom teste, estas etapas devem ser seguidas:

 

1º Passo: Separe uma mecha na parte de baixo da cabeça, uma ao lado da orelha, e outra no topo da cabeça. Dessa forma, todas as regiões mais sensíveis do couro cabeludo serão contempladas e será possível observar como o produto reagirá em diferentes seções.

2º Passo: Aplique o produto desejado nas três partes selecionadas e espere o tempo de ação indicado na embalagem.

3º Passo: Assim que as mechas atingirem o ponto desejado, elas devem ser enxaguadas com água abundante e finalizadas com um secador. Então, verifique a estrutura do fio e as alterações sofridas.

 

Caso o cabelo continue forte, sem pontas arrebentadas e sem elasticidade, está aprovado e o procedimento poderá ser realizado em toda a sua extensão. No entanto, se o cabelo apresentar quebra, queda ou aquecimento durante o tempo de pausa do produto, o procedimento não deve ser continuado. Lembramos que o teste da mecha deve ser realizado pelo menos uma semana antes do agendamento do procedimento capilar, para que os efeitos posteriores da química também possam ser analisados.

 

QUÍMICAS INCOMPATÍVEIS

 

Como alguns danos podem ser irreversíveis, apresentamos uma lista básica de substâncias que não devem ser misturadas. No entanto, para conhecer a compatibilidade de outras substâncias químicas, não deixe de falar com o seu profissional cabeleireiro.

– Hidróxido de sódio: não pode ser combinado com tioglicolato de amônia e guanidina.
– Tioglicolato de amônia: incompatível com o hidróxido de sódio e o hidróxido de cálcio.
– Guanidina: não pode ser combinada com o hidróxido de sódio ou utilizada em cabelos com colorações.

 

COMO RECUPERAR OS FIOS QUE SOFRERAM CORTE QUÍMICO?

 

Ainda que seja doloroso, não tem jeito! O primeiro passo para começar a salvar os fios é cortar toda a parte que sofreu quebra química. Se você não conseguir passar a tesoura em tudo, tente cortar o máximo que conseguir para criar um look mais harmônico e com menos danos visíveis.

Após um bom corte de cabelo, é hora de investir em tratamentos de reposição de nutrientes e massa capilar. É fundamental fazer tratamentos de reconstrução a cada quinze dias, pois eles serão responsáveis por devolver massa à fibra capilar e restaurar a força dos fios. A Tânagra possui um dos melhores tratamentos de reconstrução capilar que existem atualmente, o HQF. Se você é cabeleireiro vale a pena investir nesse tratamento como serviço para o seu salão. Se você é cliente e sofreu o corte químico, peça esse tratamento para o seu cabeleireiro. Além disso, escolha máscaras à base de proteínas, como a Mega Hidratante FIX, que é formulada com queratina e colágeno hidrolisado e indicada para os cuidados pós química. A reconstrução não vai recuperar as mechas que já foram quebradas, mas ajudará a preservar o que sobrou.

Os tratamentos reconstrutores devem ser combinados com tratamentos hidratantes, que conferem nutrição aos cabelos e os protegem de danos mais severos. O kit Personal Hair Colágeno Vegetal é um restaurador químico que permite tratar cabelos com alto grau de sensibilidade, como as mechas que passaram por quebra química. Essa linha oferece shampoo e condicionador para os cuidados diários e uma máscara hidratante que pode ser utilizada semanalmente nos procedimentos caseiros mais profundos, e todos os produtos possuem sistema antioxidante e nutrem os fios desfibrados.

Além disso, é recomendado pausar por tempo indeterminado os procedimentos químicos, até que as madeixas cresçam novamente e estejam fortes para receber fórmulas mais pesadas. E, caso sejam utilizadas ferramentas de calor, como a chapinha e o secador, é necessário proteger os fios com produtos termoativos, para que as altas temperaturas não intensifiquem os danos aos cabelos sensibilizados.

Escrito por Beatriz Dias de Moraes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *